Uma perspectiva interna


Um antigo funcionário da PolyVision compartilha sua experiência e percepções sobre o que fez a PolyVision se tornar a empresa que é hoje.

Edward La Selva, gerente global de desenvolvimento de produtos arquitetônicos e personalizados da PolyVision.

Quase quatro décadas atrás, Edward La Selva foi a uma entrevista para uma função de vendas no lugar do seu irmão, e tem construído seu conhecimento sobre o mercado de CeramicSteel desde então. Um híbrido no setor, La Selva teve inúmeras funções que incluíram diversas responsabilidades e hoje é o gerente global de desenvolvimento de produtos arquitetônicos e produtos personalizados da PolyVision. Conversamos com La Selva sobre a história da PolyVision, sua jornada pessoal com a empresa e falamos sobre o futuro.

PV: Qual era o emprego dos seus sonhos quando você era criança?

ELS: Eu sempre sonhei em ter uma empresa de construção.

PV: Qual é o trabalho dos seus sonhos hoje?

ELS: Eu diria que é o que faço para a PolyVision agora. Eu deixei a empresa por um período para perseguir outros interesses e voltei. Aprendi muito sobre o que um emprego dos sonhos significa para mim.

PV: O que você mais gosta no seu trabalho na PolyVision?

ELS: Temos um produto com características e benefícios exclusivos que poucos no mundo conseguem replicar. O produto é raro, assim como é trabalhar para uma empresa em um campo tão especializado. Mas o que eu realmente gosto é o fato de que as pessoas que trabalham aqui são os ativos mais importantes da empresa, e essa mentalidade é refletida na cultura que a PolyVision incentiva. As pessoas sempre vêm primeiro.

Terceiro piso da estação de metrô Den Haag Centraal com janelas de vidro e painéis de parede de CeramicSteel padrão.

PV: Então, você começou no setor substituindo seu irmão em uma entrevista. Conte-nos um pouco mais sobre as empresas de CeramicSteel para as quais você trabalhou e por que a PolyVision as comprou.

ELS: A AllianceWall foi fundada em 1963 em Alliance, Ohio, pela família que fundou a Caloric Stove Company. Eles fabricavam CeramicSteel leve para aplicações de revestimento de parede. Conforme a empresa cresceu, eles reconheceram que os atributos únicos da superfície de CeramicSteel podiam ser aplicados a outras aplicações, principalmente como uma superfície ideal para lousas de apagamento a seco e até quadros-negros. A fábrica de Ohio acabou fechando e se mudou para Oklahoma enquanto uma segunda fábrica era inaugurada na Bélgica, tudo com a intenção de fornecer CeramicSteel ao mundo todo. A PolyVision adquiriu a empresa no outono de 1998 para fornecer ferramentas de ensino e comunicação estáticos e interativos.

Um sistema de painéis colaborativos Motif da PolyVision instalado em uma área colaborativa de um escritório.

PV: Desde aquela época, a PolyVision desenvolveu inúmeros produtos e recursos. Qual você acha que é a maior conquista da PolyVision em todos esses anos?

ELS: Com certeza tornar a CeramicSteel relevante novamente como uma superfície versátil e de alta qualidade. Nosso produto é usado em todo o mundo em uma ampla variedade de aplicações diferentes, e isso é possível porque nosso produto é muito versátil. Ele pode ser usado em aeroportos, escolas, estações de metrô, túneis... Não há limites para as aplicações possíveis.

PV: A PolyVision é uma líder mundial em CeramicSteel. Qual é o projeto ou lugar preferido para o qual você viajou pela empresa e por quê?

ELS: Eu não consigo escolher só um, são muitos projetos excelentes. Os cinco projetos e lugares que mais gostei foram:

  1. Túnel Ted Williams: Boston, MA – 750 pés quadrados de CeramicSteel. Não tem como ser maior que isso.
  2. Shriners Hospital: Lexington, KY – gráficos incríveis em um hospital que trata crianças com doenças graves. Os representantes do Shriners choraram quando saíram do elevador e viram os painéis de CeramicSteel da PolyVision com imagens que mostravam a história da organização.
  3. Google: Boulder, CO – Sans e Flow por todo o edifício, cujo interior foi projetado para ser progressivo e único.
  4. Centro de treinamento da American Airlines: Dallas, TX – às vezes você tem um projeto e não sabe como ele vai ficar até que esteja acabado.
  5. Estação ferroviária Arvada Ridge: Arvada, CO – gráficos incríveis em uma aplicação única de CeramicSteel.

Um trem passa pelo mural Chromatic Harvest na estação ferroviária Arvada Ridge

PV: Com tantas aplicações diferentes, por que você acha que os produtos da PolyVision são a principal escolha dos clientes?

ELS: As pessoas querem produtos que sejam esteticamente agradáveis e funcionais. Estética, durabilidade e funcionalidade estão combinadas em um produto que, como eu mencionei antes, poucos no mundo conseguem replicar. Além disso, você provavelmente não encontrará muitos produtos de CeramicSteel da PolyVision em aterros sanitários. Se você parar para pensar, não há obsolescência programada em um acabamento colaborativo com garantia vitalícia. O acabamento e os produtos são sempre projetados para resistir ao teste do tempo.

PV: Inovações em produtos são essenciais para o sucesso da PolyVision. Na sua opinião, quais são os melhores exemplos de inovação da empresa?

ELS: Eu diria que a introdução da tecnologia de imagens digitais e nosso conjunto de produtos colaborativos. A tecnologia nos ajudou a evoluir, mas quando você pensa nisso, fazemos com que as pessoas deixem a tecnologia um pouco de lado ao darmos a elas a oportunidade de interagir com seu ambiente. Seja caminhando por uma estação ferroviária e parando para ver um lindo mural de CeramicSteel ou tendo uma sessão de colaboração produtiva usando um quadro para capturar ideias e incentivar o processo criativo.

Painéis de borda acabada da PolyVision usados para exibir uma obra de arte de Thierry Renard na estação de metrô Sainte Catherine em Bruxelas, Bélgica.

PV: O que há no futuro da PolyVision? Onde a empresa focará seus esforços nos próximos anos?

ELS: Acredito que você verá três coisas muito importantes acontecendo. Primeiro, continuaremos conscientizando sobre a Ceramicsteel ao educar as gerações mais novas de arquitetos e designers sobre seus recursos e benefícios. Segundo, continuaremos nossa missão de apresentar novos produtos que sejam bonitos e altamente funcionais. E terceiro, continuaremos relevantes ao encontrar novos mercados, aplicações e usos para a nossa superfície.

PV: Para encerrar, conte-nos sobre seu momento de maior orgulho trabalhando para a PolyVision.

ELS: Quando lançamos com sucesso nossa nova linha de produtos colaborativos. Foi a culminação de muito trabalho, persistência e trabalho em equipe para muitas pessoas.

PV: Muito obrigado por seu tempo e informações, Ed!

ELS: Obrigado.

Comentários


  1. Bob Crain disse:

    28 de março de 2019, às 4:26 p.m.

    Ótimo artigo, Ed. Espero que suas informações e perspectivas permitam que outros se beneficiem dos ótimos produtos que a PolyVision oferece e das diversas aplicações para as quais ela oferecerá suporte.


  2. Dennis Guidera says:

    28 de março de 2019, às 10:09 p.m.

    Ótima entrevista e resumo. Você é um verdadeiro "historiador da empresa" após ter acompanhado todo esse crescimento. Nossa equipe tem sorte de contar com sua vasta experiência. Eu sei que você me salvou de algumas situações técnicas ao longo dos anos.
    Obrigado por tudo o que você faz.


  3. Steve Eriksson disse:

    10 de abril de 2019, às 11:40 a.m.

    Foi ótimo trabalhar com você em um dos meus últimos projetos antes de me aposentar; começamos preenchendo três paredes de quadros (PolyVision) com fluxos de ordens potenciais e diagramas de transformação de dados. Você é parte essencial de ambas, a criação e, especialmente, a implementação de ótimos produtos e ideais de fabricação na PolyVision. Desejo tudo de melhor a você, Ed!


Deixe um comentário