Pesquisa da PolyVision revela que 97% dos professores acreditam que a escrita em quadros é uma ferramenta essencial para aumentar a aprendizagem

Pesquisa da PolyVision revela que 97% dos professores acreditam que a escrita em quadros é uma ferramenta essencial para aumentar a aprendizagem


A fabricante líder em CeramicSteel realizou uma ampla pesquisa na Índia em parceria com a Whitemark e a Teach for India, para avaliar o impacto da aprendizagem do aluno em relação à qualidade dos quadros de escrita usados.

Bombaim, março de 2016: Em uma aposta para diminuir a desigualdade na educação na Índia, a PolyVision, uma das principais fabricantes mundiais de CeramicSteel, lançou uma iniciativa no país para fornecimento de uma ferramenta de ensino essencial às salas de aula que mais necessitavam. Em parceria com Teach for India e Whitemark Limited, distribuidora nacional da empresa no país, a PolyVision doou centenas de whiteboards e quadros-negros e3 CeramicSteel de alta qualidade para salas de aula deficientes em sete cidades – Bombaim, Deli, Pune, Bangalore, Hyderabad, Chennai e Ahmedabad – e continuará com as doações com a Teach for India ao longo do ano.

 

Para avaliar os efeitos positivos em relação ao ensino e à capacidade de aprendizagem, a PolyVision lançou uma pesquisa posterior à instalação dirigida aos professores. A pesquisa ajudou a determinar a facilidade com que o professor passou a conduzir as aulas. Além disso, destacou alguns pontos fundamentais de estresse então enfrentados por professores e alunos.

As novas superfícies de escrita, além de ajudar a melhorar a comunicação dos professores com os alunos, também contribuem para a melhor aprendizagem das crianças em grupo. Patel, que leciona em Bombaim, aponta que "Durante uma aula, para compreender um assunto ou incrementar o vocabulário, é crucial que os alunos relacionem o que o professor diz com as palavras e imagens no quadro. A aprendizagem visual é particularmente importante nas aulas do estágio primário". Escrever informações e ideias em um whiteboard ou em um quadro-negro libera os usuários de ter que lembrar informações importantes. Além disso, exibir as informações ajuda a criar um conhecimento compartilhado. "Quando o professor escreve, as crianças têm tempo para absorver o conteúdo lentamente e compreendem como começar e terminar um parágrafo. Como apresentar respostas em provas", afirma Aditya, de Pune.

Whiteboards tornam mais fácil para os usuários colaborar anotando pensamentos, criando correlações e construindo sobre as ideias uns dos outros. Muitos professores relataram dificuldades com questões básicas, como a capacidade de escrever com clareza e apagar as superfícies de escrita anteriormente utilizadas. Além de provocar estresse desnecessário, a precariedade também consumia tempo de aula. Como observou Dhwani, de Pune: "É por meio de suportes visuais, como o desenho e a identificação, que meus alunos mais novos incrementam o vocabulário mais facilmente. Assim, são capazes de apagar e escrever com agilidade conseguindo manter o nível de energia".

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Washington demonstrou uma relação especial entre as mãos e o cérebro, quando a pessoa elabora pensamentos. O movimento dos dedos ativa regiões do cérebro envolvidas no pensamento, linguagem e funcionamento da memória. Ao enfrentar dificuldades usando os antigos quadros de escrita, os próprios professores raramente conseguiam conduzir sessões de aprendizagem em que as crianças pudessem também usar a ferramenta para aprendizagem em grupo. Entretanto, após a instalação do novo quadro e3 CeramicSteel, Divya relata que seus alunos em Bombaim "ficaram felizes ao ver o novo quadro branco e brilhante na sala de aula. Eu cheguei a pedir que resolvessem problemas no quadro e eles correram para resolver as contas. Também nos sentimos mais à vontade para exibir vídeos. Há muito mais clareza".

O fato relatado na Índia é alarmante, com taxa de evasão escolar em 40% no nível primário e 4% que nem chegam à escola. Os relatórios também afirmam que a baixa qualidade na educação é a dificuldade principal, o que resulta em apenas 10% das crianças indianas serem capazes de ir para a faculdade. Os números revelados pela pesquisa indicam a importância desta iniciativa como passo em direção ao objetivo de garantir que a futura geração indiana tenha a chance de escrever um futuro melhor para si mesma.