O impacto de projetos de arte pública na saúde humana


A arte tem o poder de nos conectar a locais, pessoas e até a nós mesmos. A arte pública é uma combinação fascinante de dinâmicas políticas, sociopolíticas e culturais que têm um forte efeito emocional, representando muito mais do que uma beleza superficial. É sábio criar mais.

A influência e os benefícios dos projetos de arte pública são bem conhecidos há séculos. Com a Renascença italiana representando a era de ouro da arte pública na Europa e o incentivo do presidente Roosevelt no início dos anos 1930 com o New Deal, governos e sociedades abraçaram os efeitos das imagens urbanas por uma variedade de motivos, sendo o principal a compreensão de que a arte afeta as pessoas tanto quanto as pessoas afetam a arte.

Qual é o tamanho do impacto da arte pública?

Muito grande, na verdade. Colin Ellard é um neurocientista que trabalha na intersecção entre psicologia e design arquitetônico e urbano. Seus estudos sobre o cérebro e comportamentos relacionados à arte pública levantaram a pergunta se design urbano é uma questão de saúde pública. Observando que estudos comprovaram que paisagens urbanas entediantes aumentam a tristeza, o vício e doenças, ele se aprofunda em sua pesquisa para avaliar o efeito que a arte pública tem nas pessoas.

Ela nos desacelera de um jeito bom

A arte integrada por toda uma cidade nos desacelera fisicamente – um benefício no mundo extremamente acelerado de hoje. Normalmente, habitantes de cidades caminham em um ritmo médio de 5 km (ou pouco mais de 3 milhas) por hora. Ellard comparou as velocidades de caminhadas entre dois locais, um com arte pública e o outro sem, e descobriu que quem caminhava pela obra de arte reduzia a velocidade pela metade. Essa redução na velocidade demonstra como a arte pública influencia a forma como nos movimentamos, pensamos e sentimos, mesmo sem perceber.

Ela evoca emoções positivas

A arte pública não apenas faz o espaço parecer vivo, mas também faz com que nós nos sintamos vivos. Ellard realizou um estudo onde levou um grupo de pessoas a diversos locais em uma cidade. Eles responderam a perguntas de avaliação do estado emocional em seus smartphones e usaram pulseiras que mediam seu nível de alerta. Perto de edifícios sem obras de arte, "Essas pessoas pareciam entediadas e infelizes. Quando foi pedido que descrevessem o local, palavras como sem graça, monótono e frio foram as que mais apareceram". Perto de fachadas vívidas, os participantes mudaram visivelmente. "No local mais vívido, eles estavam mais animados e conversavam mais, e tivemos um pouco de dificuldade para controlar seu entusiasmo."

Ellard observa que perto de fachadas vívidas, as pessoas "param, olham ao redor e absorvem os arredores em um estado prazeroso de afeto positivo e com um sistema nervoso vivaz e atento. Por conta dessas influências, elas realmente queriam estar ali. E por conta desses efeitos, muitas cidades criaram cuidadosamente códigos para as novas construções que ditam alguns dos fatores que contribuem para fachadas felizes e vívidas." O trabalho dele comprova que além de aumentar a emoção, a arte pública também aumenta os lucros de uma cidade e de suas empresas.

Exemplos de projetos de arte pública que promovem identidade e orgulho

1. Los Angeles, Califórnia: Dois murais de 70 pés da artista April Greiman, pintados na esperança de atrair novos moradores a um projeto de desenvolvimento residencial, tornaram-se um emblema da cidade. As pinturas já apareceram em revistas locais e nacionais, foram usadas no sistema de trânsito da cidade e geralmente servem como cenário de fundo para anúncios televisivos feitos pelo prefeito. Esses murais passaram a representar Los Angeles, dando à cidade um símbolo com os quais os cidadãos se identificam por meio de energia, cor e emoção.

Complexo de apartamentos com murais coloridos em Los Angeles

2. Singapura: A Land Transport Authority, a empresa de trânsito do país, criou o programa Arte no Trânsito para integrar arte às suas estações de metrô. Cada obra de arte é feita por um artista local e dá à estação uma identidade única que representa o local. Os passageiros conectam-se com a arte, vendo cores, imagens, designs e arquitetura que representam seus bairros e suas culturas. O programa obteve tanto sucesso que eles firmaram parceria com uma organização sem fins lucrativos local para oferecer passeios a pé pelas estações, proporcionando a todos acesso à arte e às histórias por trás dela.

Arte e imagens coloridas cobrem a paredes da estação de metrô em Singapura

3. Brooklyn Park, Minnesota: A biblioteca do condado de Hennepin encomendou um mural feito de 331 painéis de CeramicSteel que representam a declaração de missão da biblioteca, contando a história da cultura local e de geografia geral por meio de matemática e ciências. Os murais se assemelham a páginas de dois livros diferentes. Ao andarem em uma direção, os moradores veem imagens universais de galáxias e fósseis, e na outra, imagens locais de plantas nativas e o Rio Mississippi. O mural conecta os visitantes à sua cidade e ao mundo por meio de livros, combinando identidade, educação e beleza em uma única obra.

Mural colorido nas paredes da Biblioteca do Condado de Hennepin feito de painéis de CeramicSteel.

4. Tampa, Flórida: Sob a ponte da Laurel Street do Rio Hillsborough em Tampa, FL, você encontrará a obra de arte Woven Waves. Com mais de 54 painéis decorativos de CeramicSteel, o mural reúne as comunidades multiculturais que formam a região por meio de uma variedade de cores e designs. A obra de arte leva nova vida à movimentada calçada e mostra a história de Tampa para quem quer que passe a pé, de caiaque ou de bicicleta.

Painéis coloridos vibrantes estão dispostos sob a ponte da Laurel Street

5. Arvada Ridge, Colorado: Outra obra feita de CeramicSteel combina o passado e o presente na estação ferroviária Arvada Ridge. Chromatic Harvest representa os fortes laços das comunidades com a agricultura e o movimento por meio de tons e formas verdes, laranjas e marrons que parecem se aproximar e afastar umas das outras. Quando os passageiros passam perto, eles vislumbram a Arvada Ridge e a casa.

As paredes da estação ferroviária de Arvada Ridge são equipadas com painéis de CeramicSteel da PolyVision e mostram uma variedade de cores e formas

Comentários


  1. May Mercolita diz:

    5 de julho de 2018, às 8:15 p.m.

    Olá, sou estudante de arquitetura e estou pesquisando sobre neuroarquitetura, como espaços afetam comunidades/pessoas. Eu gostaria de saber se consigo obter as referências que você usou ao escrever este artigo.


  2. Kate Cathey diz:

    6 de julho de 2018, às 6:04 p.m.

    Olá, May. Obrigada por seu interesse! Eu usei este artigo de Colin Ellard: https://aeon.co/essays/why-boring-streets-make-pedestrians-stressed-and-unhappy.

    O mural de LA é do centro da cidade de Los Angeles, na intersecção das avenidas Wilshire e Vermont. Os demais projetos foram obtidos com a PolyVision e podem ser encontrados no site.


Deixe um comentário