A PolyVision volta à escola com professores de todo o mundo


O outono marca o começo de um novo ano letivo e é uma época de aprendizado para professores e alunos de todo o mundo. Enquanto muitos alunos encarem o fato de precisar voltar a acordar cedo e fazer dever de casa com cansaço e hesitação, os educadores reconhecem o trabalho importante que os aguarda. A PolyVision conversou com quatro professores pelo mundo para saber mais sobre suas perspectivas durante essa época de volta às aulas.

Tornando-se um professor

É atribuída a Albert Einstein a frase "A suprema arte do professor é despertar a alegria na expressão criativa e no conhecimento". Mas o que acende o desejo de ensinar? Interessantemente, cada um dos professores com quem conversamos descreveu de forma pensativa seu amor pelo desafio de entender a psique humana e fazer com que seus alunos cresçam academicamente e socialmente. John, um irlandês expatriado e professor de inglês em Tóquio, está na área da educação pelo momento gratificante em que um aluno supera o "preconceito de que não pode fazer algo, descobrindo que pode com a instrução adequada". Tiffany, uma professora do quinto ano de Atlanta, GA, sempre quis ensinar crianças, mas aprendeu a amar a profissão após ver seus alunos "crescerem e desenvolverem confiança enquanto formavam relacionamentos e causavam um impacto em suas vidas". São esses relacionamentos e a compreensão solene do peso de sua influência nas vidas de seus alunos que motiva professores a continuar dando seu melhor a cada ano.

Duas mulheres conversam em frente a um mapa desenhado em um whiteboard de apagamento a seco

Superando os obstáculos

No entanto, como em qualquer carreira, a educação também tem seus obstáculos. Jenna, uma professora com seis anos de experiência em uma escola de ensino fundamental do Bronx, NY, disse "A parte mais difícil de ensinar é que nunca há tempo suficiente no dia. É assustador pensar no crescimento acadêmico, social e emocional pelo qual você é responsável". Gestão de tempo é um desafio universal, bem como a gestão do comportamento dos alunos. John, em Tóquio, fala de sua experiência: "Os momentos mais difíceis são aqueles em que os alunos não se comportam. É natural que jovens alunos se rebelem e não queiram estudar, e muito raramente isso é intencional, mas pode realmente mostrar uma falta de respeito". A responsabilidade que repousa sobre os ombros dos educadores é monumental. Afinal, eles estão ensinando os futuros líderes do mundo.

O professor torna-se o aluno

O aprendizado é um processo que nunca acaba, até mesmo para os professores. Quando perguntados sobre quais lições aprenderam ao longo dos anos, Jenna disse "Lecionar me ensinou a ser flexível e começar cada dia como sendo um novo dia. Recomeçar com a mente renovada a cada dia nos mantém seguindo em frente. Independentemente de ontem ter sido ótimo ou difícil, hoje é um novo dia. Eu tento passar isso para os meus alunos, pois são habilidades importantes para a vida que podem ser aplicadas a qualquer profissão que eles eventualmente escolherem". Jenna não foi a única que falou sobre flexibilidade. Tiffany disse "Lecionar me ensinou a ser flexível, com muitas mudanças e lições não saindo conforme planejado ou alunos respondendo de uma forma diferente da que eu esperava". Os professores sabem que continuarão aprendendo, tanto com suas experiências quanto com seus alunos. Em Tóquio, John disse que "o cargo de professor inclui aulas de educação moral, para ensinar aos alunos como pensar sobre os outros e como agir em sociedade. Isso tem um grande impacto na formação do futuro desses alunos. Isso é uma grande responsabilidade e me ensinou muito sobre como as pessoas pensam, como pessoas diferentes interpretam e aprendem informações, e como se adaptar a diferentes estilos de aprendizado".

Alunos levantam as mãos em uma sala de aula indiana enquanto a professora está em pé em frente a um whiteboard com coisas escritas

Ferramentas para o sucesso

Com o início de cada novo ano, os professores preparam lições para inspirar seus alunos a aprender, desenvolvendo sua criatividade e conhecimento. Interatividade é um tema recorrente em todo o mundo e todos os professores acham que manter os alunos ativamente engajados é uma parte importante de sua dinâmica em sala de aula. O uso do quadro de escrita da sala de aula como uma ferramenta para o aprendizado colaborativo dos alunos é feito da mesma forma em todo o mundo. Tiffany disse "Eu gosto muito do nosso whiteboard interativo, onde os alunos podem jogar jogos ou apresentar um trabalho". John cria jogos de computador para seus alunos aprenderem inglês, enquanto que Jenna usa projeção de vídeo em seu whiteboard para aprimorar as lições. De acordo com John, "Esses recursos são avanços muito úteis que ajudam a engajar mais os alunos. Poder interagir com os alunos por um meio mais familiar e empolgante é essencial para manter sua atenção". Divya, uma educadora da Índia, disse o seguinte sobre seu whiteboard "Quando eu peço aos meus alunos para resolverem problemas no whiteboard, eles o fazem com muita empolgação. Nós também gostamos de projetar vídeos. Como a atenção dos alunos pode ser curta, eu utilizo dois quadros em locais diferentes da minha sala de aula. Isso proporciona movimentação, o que elimina o tédio".

Ideias em comum

Quatro professores separados por muitos quilômetros concordam que o método de ensino mais eficaz em suas salas de aula é aquele em que seus alunos se divertem e nem percebem que estão aprendendo. Os educadores reconhecem o impacto do aprendizado engajado e colaborativo, do tipo que parece uma brincadeira, e o quadro de escrita continuará no centro de uma sala de aula colaborativa.

Deixe um comentário