5 formas de criar um espaço público atraente


E se a vivacidade dos nossos arredores for nossa fonte mais acessível de alegria? Essa é uma pergunta que Ingrid Fetell Lee propõe em seu recente livro, Joyful: The Surprising Power of Ordinary Things to Create Extraordinary Happiness. A busca de Lee para descobrir exatamente o que é a alegria e como ela se manifesta dentro de todo nós a levou a lugares em todo o mundo onde descobriu o que chama de "estética da alegria". Muitos elementos chamaram a atenção de Lee durante suas viagens, como cores brilhantes, padrões e objetos com contornos curvados, para citar apenas alguns. Essas qualidades que nos trazem alegria visual e tátil podem ser aplicadas ao design urbano e espaços públicos, unindo pessoas para que compartilhem momentos de alegria e comunhão.

1. Cores brilhantes parecem seguras: Há muito tempo a psicologia das cores é usada em marketing e design para evocar emoções específicas nos consumidores, mas preferências pessoais, experiências e diferenças culturais tornam impossível dizer se uma cor produz diretamente uma emoção a todos nós. No entanto, a pesquisa de Lee mostra que cores vibrantes trazem alegria às pessoas, e ela reforça o papel significativo que a cor teve na nossa evolução. Cores brilhantes significavam que a vida estava prosperando para nossos ancestrais nômades, indicando que o ambiente era seguro. Essa relação entre cores vibrantes e um sentimento de segurança persiste até hoje, tornando cores alegres, como amarelo, azul, laranja e azul-turquesa, opções inteligentes para tornar um espaço público mais atraente.

Um trem passa pelo mural Chromatic Harvest na estação ferroviária Arvada Ridge

2. A cor pode reduzir crimes: se cores brilhantes fazem com que nos sintamos seguros, faz sentido que ambientes coloridos tenham menos crimes. Lee apresenta duas provas dessa ideia em seu livro. A cidade albanesa de Tirana, que já sofreu com crimes e decadência, agora é uma cidade movimentada onde os moradores se sentem seguros. Como a cidade passou por uma mudança tão drástica em quatro anos? Com um pequeno orçamento, o prefeito começou a pintar os edifícios com tons brilhantes, buscando revitalizar os bairros. Conforme os edifícios se tornaram uma luz brilhante de esperança para os cidadãos, o crime e o uso de drogas tiveram uma grande redução.

Publicolor é uma organização sem fins lucrativos com sede em Nova York que leva alunos com problemas escolares para pintar escolas carentes e áreas comunitárias com cores brilhantes. Desde o início da organização, em 1996, os alunos e voluntários da Publicolor já pintaram cerca de 500 escolas e espaços públicos na cidade de Nova York. Quando a Publicolor pinta uma escola, as taxas de frequência e graduação aumentam e os crimes no campus têm uma queda.

3. A arte cria a comunidade: a arte transforma um espaço público em um destino. Um mural ou uma escultura é um local onde membros da comunidade podem ir para se encontrar e passar um tempo juntos. A pesquisadora Harriet Hawkins  observa que a arte pública pode transmitir simbolismo, o que pode levar ao envolvimento comunitário. Símbolos têm o poder de unir as pessoas. Considere o fato de que todas as nações têm uma bandeira com a qual os cidadãos se identificam. O sentimento de unidade que uma obra de arte pode fornecer também pode levar a um senso de comunidade entre os moradores e incentivá-los a apoiarem uns aos outros e a cidade.

Estação de metrô com paredes azuis e grandes palavras indicando direções

4. Supergráficos: gráficos, tipografia e imagens grandes que adornam paredes ou outras superfícies grandes podem atrair pessoas para um espaço público de muitas formas. "Não se trata de pintar algo com uma cor bonita, e sim de olhar de fato para o contexto do espaço, os problemas que ele tem e abordá-los. Cores e formas podem modificar completamente uma estrutura", afirmou Sean Adams, autor de "The Field Guide to Supergraphics: Graphics in the Urban Environment" e cofundador do estúdio californiano de design AdamsMorioka, em uma entrevista na Design Week. O artigo descreve como os supergráficos têm o potencial de levar vida e animação aos seus arredores. De declarações políticas e mensagens inspiradoras a informações sobre a cidade e orientações, os supergráficos destacam os espaços públicos.

Paredes coloridas em vermelho, laranja e amarelo com desenhos representando pessoas em uma área de banheiro público.

5. Abundância:  ao usar uma paleta de cores monocromática, um espaço público pode ficar sem graça, na melhor das hipóteses. Em um  artigo na Archinect, o designer Frank H. Mahnke observa que as pessoas submetidas a um ambiente com pouco estímulo mostram sinais de cansaço, irritabilidade e dificuldade de concentração.  Uma pesquisa de Kathie Engelbrecht  confirma o que Mahnke diz: "Também foi descoberto que as pessoas ficam mais introspectivas em ambientes monocromáticos, o que pode levar a sentimentos de ansiedade, medo e aflição resultante da falta de estímulos. Essa falta de estímulo cria uma sensação de cansaço, resposta emocional excessiva, dificuldade de concentração e irritação." Estímulos em arte, cores e arquitetura nos revitalizam. Abundância também é um elemento na estética da alegria de Lee, observando que itens como granulados ou confete trazem uma sensação de alegria a muitas pessoas.

Criar um espaço público atraente é criar um espaço receptivo às pessoas, um espaço que estimule a alegria e pareça seguro. Um local que transmita uma mensagem por meio da cor e da arte tem o poder de se tornar um símbolo que representa uma comunidade e seus cidadãos.

Comentários


  1. Matthew says:

    20 de dezembro de 2018, às 4:30 a.m.

    Fantastic insights, i love the references to academic research, backing up the POV


Deixe um comentário